blank

Over 10 years we helping companies reach their financial and branding goals. Onum is a values-driven SEO agency dedicated.

CONTACTS

Projeto de gases medicinais, conheça sua importância!

Estabelecimentos de saúde pressupõem o funcionamento de diversos equipamentos, sistemas de aquecimento e instalações que proporcionem aos pacientes receber os cuidados necessários, do ponto de vista técnico. Dessa forma, um projeto de gases medicinais em hospital é fundamental para que todo esse aparato funcione de maneira adequada.

Muitos são os gases medicinais e, a rede de distribuição pela qual eles transitam, até chegar à estação de consumo, precisa seguir a certas normas de construção e pressão, estabelecidas pelo Ministério da Saúde e outros órgãos competentes. Além disso, é necessário seguir protocolos de manutenção e limpeza de tais sistemas.

Se você deseja entender melhor como funciona o projeto de gases medicinais, continue lendo. Preparamos abaixo um artigo especial sobre o assunto

Preciso de um projeto de gases medicinais?

Afinal, quais são os gases medicinais?

projeto de gases medicinais

Como dissemos, existem diversos gases que são utilizados na medicina. Listamos abaixo os principais.

  • Oxigênio – Trata-se de um dos principais gases, um dos mais utilizados de forma terapêutica. Em estado líquido, se armazena em tanques, que possuem um sistema de vaporização para torná-lo gasoso. Nessa forma, pode se armazenar também em cilindros e fluir por uma tubulação até chegar ao ponto em que será utilizado;
  • Ar comprimido medicinal – O ar comprimido para fins terapêuticos deverá ser livre de óleos e água, além de desodorizado. Para a preparação do ar, normalmente utiliza-se um secador de absorção e um catalisador;
  • Vácuo clínico – Os sistemas de vácuo normalmente consistem em duas bombas: uma principal e uma reserva.Juntamente com normas específicas, regulam a quantidade de vácuo e permitem coleta de materiais junto aos pacientes;
  • Óxido nitroso – É o gás das anestesias. Do mesmo modo, é uma substância de fácil administração e apresenta bons resultados especialmente quando utilizado em uma mistura com oxigênio;
  • Nitrogênio – Trata-se de um gás de extrema pureza, utilizado em diversos procedimentos médicos. Usa-se nitrogênio tanto em cirurgias quanto no congelamento de amostras orgânicas para conservação;
  • Dióxido de carbono – É um gás incolor, inodoro, não-inflamável e utilizado estrategicamente na medicina. Assim, um dos melhores exemplos da sua aplicação é a videolaparoscopia.

Como se forma o sistema de fornecimento de gases medicinais?

Tubulações que ficam aparentes ou embutidas em forros e contrapisos normalmente formam o sistema pelo qual os gases medicinais passam até chegar aos pontos de consumo. Quando em áreas externas, como estacionamentos, elas devem seguir às normas que versam sobre a profundidade. Enfim, normalmente, utiliza-se camadas de isolantes específicos para protegê-las da corrosão, evento perigosíssimo para o sistema.

A fixação normalmente acontece por meio de braçadeiras e chumbadores e realiza-se a secção das alas por válvulas, que permitam a interrupção do fornecimento de uma área específica, em caso de manutenções ou emergências. Por falar nisso, o sistema completo precisa de monitoramento. Em suma, os alarmes são de extrema importância para garantir a segurança.

É necessário instalá-los em uma central, localizada onde haja um responsável 24 horas por dia. O alerta emitido em caso de necessidade deve ser visual e sonoro. Há alguns lugares estratégicos nos quais a presença desses alarmes é fundamental. São eles os centros cirúrgicos, as unidades de terapia intensiva, as centrais de segurança, dentre outros. Por outro lado, só não devemos nos esquecer de ajustar as pressões em cada sistema para que os alertas ocorram somente quando for realmente necessário.

Todas essas questões, bem como os materiais necessários e as quantidades para instalar o sistema devem constar no projeto de gases medicinais. O engenheiro responsável precisa trabalhar sempre em conjunto com o cliente, de modo a determinar as necessidades específicas de cada estabelecimento e atender à todas as normas estabelecidas pelos órgãos regulamentadores.

Quais itens devem constar em um projeto de gases medicinais?

Um projeto de gases medicinais deve ser elaborado de acordo com as normas técnicas e regulamentações específicas que regem a instalação de gases medicinais em estabelecimentos de saúde. Alguns elementos que não podem faltar em um projeto de gases medicinais incluem:

  1. Estudo das necessidades: é preciso avaliar as necessidades de gases medicinais do estabelecimento de saúde em questão, como quantidade de leitos, tipos de procedimentos realizados, entre outros.
  2. Escolha do local: a escolha do local deve levar em consideração questões de segurança, ventilação, espaço físico e acesso facilitado para transporte dos cilindros.
  3. Dimensionamento da rede: é necessário dimensionar corretamente a rede de distribuição de gases medicinais, considerando a pressão necessária para cada tipo de gás e a distância entre os pontos de consumo e a central de distribuição.
  4. Especificação dos materiais: os materiais utilizados devem ser resistentes à corrosão e compatíveis com os gases utilizados, seguindo as normas técnicas específicas.
  5. Projeto elétrico: a instalação elétrica deve ser projetada de acordo com as normas técnicas específicas e considerar a possibilidade de falhas elétricas.
  6. Sistema de segurança: é necessário prever um sistema de segurança para evitar vazamentos de gases, como sensores de detecção de vazamentos e válvulas de bloqueio.
  7. Treinamento de pessoal: é importante treinar os profissionais que irão trabalhar com os gases medicinais, a fim de garantir a segurança e o correto manuseio dos equipamentos.
  8. Documentação: é preciso elaborar documentação técnica detalhada, incluindo plantas baixas, lista de materiais, especificações técnicas, entre outros, a fim de orientar a execução do projeto.

É importante ressaltar que cada projeto de gases medicinais deve ser elaborado de forma personalizada, levando em consideração as especificidades do estabelecimento de saúde em questão e seguindo as normas técnicas e regulamentações vigentes.

Quais as etapas para elaboração do projeto de gases medicinais?

Algumas etapas importantes fazem parte do projeto de gases medicinais, até ele ficar pronto e ser aprovado para instalação. O caminho a ser percorrido é basicamente o seguinte:

  • Visita técnica – Uma equipe especializada vai até o local e realiza a análise da área disponível, em confronto com a necessidade do estabelecimento médico. A partir daí, surgem as ideias de como o serviço pode ser feito;
  • Orçamento – A empresa contratada realiza um orçamento do projeto;
  • Elaboração – Se você aprovar o orçamento, mesmo que após negociação, a empresa vai realizar o projeto, levando em conta medidas, necessidades e outros dados que juntos vocês vão mensurar com precisão, sempre à luz das normas técnicas que regem o assunto;
  • Instalação – Se você optar por uma empresa que realize o serviço completo, a próxima etapa será a instalação do sistema. Escolher uma empresa que realize ambas as etapas é uma garantia maior de que o sistema seguiu fielmente o projeto;
  • Teste – Todo sistema de gases necessita de testes. Estamos falando de suprimentos dos quais depende a vida e a saúde de alguns pacientes. Por essa razão, é necessário garantir o seu funcionamento antes que a real necessidade apareça;
  • Manutenção – Todo sistema de gases medicinais necessita de manutenções periódicas já inclusas no planejamento. Autoridades e órgãos responsáveis locais determinam o prazo e a empresa contratada para realizar o serviço avalia se alguma alteração se faz necessária.Também é importante observar se a empresa oferece serviços de assistência técnica.

Que cuidados devem ser tomados na instalação do sistema?

Forros e alvenarias são os locais de passagem de toda a tubulação. Quando não há outra opção, a não ser instalar os dutos no contrapiso, os mesmos devem ser revestidos com fita de PVC, emborrachada e sensível a pressão. Trata-se de uma forma de proteger o sistema da corrosão eletrolítica. Já aquelas que passam por estacionamentos ou áreas similares, que pressupõem risco de carga na superfície, precisam de maior proteção. Nesse caso, existem dutos de proteção específicos e a profundidade mínima exigida é maior que em outros ambientes.

Todas as tubulações precisam de uma diferenciação. Isso significa que serão identificadas pelas cores que representam cada um dos gases. Tal questão acontece da seguinte forma:
Oxigênio – Verde-emblema
Ar comprimido – Amarelo-segurança
Vácuo – Cinza-claro
Óxido nitroso – Azul-marinho
Nitrogênio – Preto
Dióxido de carbono – Branco-gelo
As etiquetas adesivas aplicadas nas tubulações devem ter fundo branco com os nomes dos gases. O sentido do fluxo é indicado a partir de uma seta na cor preta. Em trechos retos, a identificação precisa estar presente a cada 5mts. É necessário repetí-la ainda a cada ramal. O ponto principal é que elas devem atender às necessidades de identificação de maneira efetiva.

Ao término da instalação do sistema, é importante realizar os testes necessários. A pressão que as válvulas suportam, a identificação de vazamentos, e os ensaios são itens indispensáveis, já que do bom funcionamento do sistema, depende a vida e a saúde de muitos pacientes, que utilizarão as instalações hospitalares. Quando pensamos no projeto, é importante cuidar para que as especificações e os desenhos “falem a mesma língua”, sejam condizentes um com o outro, uma vez que as especificações prevalecerão, caso haja divergência. Dessa forma, você pode solucionar qualquer dúvida nesse sentido com o engenheiro responsável.

Além disso, você precisa reproduzir quaisquer adornos ou melhorias, indicados nos desenhos, bem como os detalhes, s em todas as partes semelhantes, a menos que haja alguma indicação ao contrário. Resumidamente, considere que ainda é possível tratar outros detalhes diretamente entre o estabelecimento de saúde contratante e a engenharia contratada.

Quem pode realizar um projeto de gases medicinais?

O projeto de gases medicinais pode ser realizado por empresas de engenharia especializada. Na hora de contratar, é importante assegurar-se de que todas as normas de segurança serão cumpridas. Para isso, basta levar em conta o histórico da empresa, suas referências no mercado e o seu modelo de trabalho. O projeto final é assinado pelo engenheiro responsável. O profissional habilitado para o dimensionamento é o engenheiro mecânico.

Conversar com os envolvidos no desenvolvimento do projeto é fundamental para tirar todas as suas dúvidas a respeito do funcionamento do sistema e das precauções necessárias para garantir a segurança. Ainda mais, uma empresa idônea certamente responderá a todas as suas perguntas com clareza e transparência, transmitindo confiança. É nessa linha que a Engethink atua.

De modo geral, um projeto de gases medicinais é importante e necessário em hospitais e clínicas de tratamento. Contar com uma boa empresa de engenharia para realizá-lo e conscientizar o seu pessoal sobre a importância de zelar para que ele funcione com segurança é o caminho para uma ótima experiência.

Preciso de um projeto de gases medicinais?

Matérias Atualizadas Redigidas por Especialistas

Blog - Engethink

Compartilhar nas Redes Sociais

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email